quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Sobre nós seres "humanos"...

Assistimos no início desse ano de 2010 muitas catástrofes vitimando quantidades expressivas da população.
Enchentes, deslizamentos de terra em diversas regiões brasileiras e estrangeiras. O frio rigoroso no Hemisfério Norte. Tremores de terra que foram registrados no Nordeste brasileiro que não trouxeram grandes preocupações e agora no Haiti, que simplesmente ruiu não só com as construções, mas com a possibilidade da continuidade daquela região como um país, uma Nação, sem contar a quantidade de vítimas fatais que ainda iremos ver aumentar absurdamente.
Já ouvimos falar em cifras de centenas de milhões de dólares em ajuda da parte de governos de diversos países do planeta na reconstrução das condições de sobrevivência das pessoas ainda não vitimadas fatalmente, mas que com certeza, diante do caos ali instalado, correm imensuráveis riscos de morte, pois sem comida e água, poderão vir a sucumbir de fome e sede, como também pela violência de outros desesperados, como já se sabe, integrantes de gangues ali existentes que já aterrorizam a população na guerra do tráfico de drogas...
Toda essa ajuda é louvável, mas me pergunto, por que só agora?
Vemos o presidente norte americano propondo uma "comissão" de quatro países, incluindo o Brasil para coordenar de perto o processo de reconstrução daquele país...
O Brasil oferece ajuda humanitária já de muito tempo, mas... E os outros? Onde estavam todos quando aquela população sabidamente contava com 80% vivendo abaixo da linha da miséria absoluta? Agora com certeza os outros 20% não existem mais. Temos uma região geograficamente existente com seres humanos sem rumo, sem esperança...
A contagem de pessoas vitimadas tende a assumir números astronômicos e mais uma vez, não há como atribuir somente à natureza a culpa.
Os "desastres naturais" acontecem mesmo, mas a extensão de seus danos são sempre de nossa responsabilidade. Todas as nossas ações levam à nossa futura aniquilação como humanidade que somos.
Construímos em locais impróprios as nossas habitações e de forma inadequada às características do solo onde fincamos os alicerces de nossos "abrigos" e em muitas das vezes sem a mínima ética em busca de lucros e privilégios.
Comecemos a prestar mais atenção aos sinais da Natureza.
Enchentes e deslizamentos, o rigor do inverno no Hemisfério Norte e o calor excessivo no Hemisfério Sul nos dão uma mostra de como estamos errando e nos sinalizam à mudança de atitudes a tempo de corrigi-las para a nossa sobrevivência como espécie.
O terremoto no Haiti, mais ainda, nos mostra a proporção da destruição que a Natureza tem o poder de causar quando não procuramos conhecer o nosso habitat devidamente.
Nos cabe sim nos abrigarmos, nos instalarmos de forma respeitosa. Abandonarmos de vez essa nossa "arrogância" de nos considerarmos a única espécie racional e que além de interagir com o meio em que vive, tem a capacidade de adquirir conhecimento e desenvolver habilidades para intervir nesse meio com ações que o alterem profundamente. Mas pergunto:
-Sob quais valores pautamos todas essas "capacidades"?
Penso que a todos nos falta o devido "entendimento" do que vem a ser essa "Dádiva" que soberbamente não nos lembramos de agradecer diariamente, essa tão "desimportante"
VIDA!
Dulcenyz
15/01/2010

2 comentários:

Luísa N. disse...

Dulceny, amiga, assino embaixo de seu protesto!
E mais: até quando vamos fechar os olhos para as questões ambientais? As catástrofes estão aí, todos os dias, para nos lembrar que a natureza começa a reagir aos maus tratos. Mas, a questão é longa e vim aqui para lhe deixar um 'oi' e um abraço...

Mariano P. Sousa disse...

Cara amiga Dulceny!
Um linda terça feira pra você.


Lá no meu blog tem um sêlo que eu indiquei pra você quando for possível passa lá e pega.
Abraço!