domingo, 1 de fevereiro de 2015

Observância...



Caminho sozinha pelas ruas da cidade, olho em volta e observo que os ares estão áridos na natureza e no semblante das pessoas...
Cada qual por motivos outros caminhando pararelamente, ora aglutinando, ora dispersando sentidos. 
Sinal dos tempos.

sábado, 16 de agosto de 2014

Salvem o Burle Marx!!!

Repassando:

O QUE ACONTECERÁ QUANDO CHEGARMOS A 50.000 ASSINATURAS ?
Esse é um número MUITO EXPRESSIVO e FACTÍVEL de se obter, uma meta estabelecida por várias pessoas que vêm se envolvendo no movimento.
O número 50.000 nos dá uma garantia: SERMOS OUVIDOS pelas autoridades que dependem do voto para serem eleitas e se manterem no poder !
Será um MARCO de mobilização social em defesa de um Parque ! Algo único, pela dimensão, na história de São Paulo !
E quem sabe iremos conseguir um número ainda maior, a depender do impacto das matérias que irão ao ar em importante rede de TELEVISÃO no começo de setembro. Não sabemos qual será a reação. No dia em que a campanha foi veiculada na Ana Maria Braga, em 72 horas tivemos 10.000 assinaturas.
Com as 50.000 assinaturas, todas IMPRESSAS, iremos insistir em sermos recebidos pelo Prefeito HADDAD (já estamos trabalhando nesse sentido de marcar uma audiência), entregando o ABAIXO ASSINADO, com a MÍDIA que já manifestou grande interesse em acompanhar !
Quando conseguirmos, vou avisar todo mundo aqui no SOS PANAMBY e quem quiser participar será muito bem vindo !
Afinal, O MOVIMENTO É DE TODOS, e de TODA A CIDADE, não só de um bairro !
E estamos caminhando muito bem !
Quem ainda não assinou pela DESAPROPRIAÇÃO das áreas ao seu redor, salvando 5.500 árvores e cursos d'água, assine a petição ao Prefeito HADDAD. ENTRE NO LINK:
http: //bit.ly/1iMMoz0
COLOQUE SEU NOME, EMAIL, CEP E PAÍS, E CONFIRME !
Abraços do

https://secure.avaaz.org/po/petition/Sr_Fernando_Haddad_Prefeito_da_Cidade_de_Sao_Paulo_Amplie_o_Parque_Burle_Marx_em_SP_desapropriando_areas_verdes_ao_redor/?rc=fb&pv=0

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

E O RACIONAMENTO COMEÇOU!!! Doze horas sem água!!!

Desde às sete da noite de ontem não havia uma gota sequer de água na torneira, como choveu, pensei:
Devem ter cortado por conta de muita sujeira na captação - sempre acontece, depois vem branca de tanto cloro.
Levantando hoje às vinte para as sete, vou à cozinha e...
Nem uma gota!!!
Desesperei!
Nunca ficou tanto tempo assim...
Fui para o quarto já pensando numa estratégia de consumo de água até que voltasse.
Mas... Sempre um mas assola meus pensamentos...
Aquele som de água e ar na torneira me deixou com a pulga atrás da orelha.
Raciocinei: Quando falta água, fica mudo, completamente mudo esse cano, ó pá!
Bem, fui refrescando a memória e me lembrei que a minha querida progenitora saiu por volta das sete ao jardim, quando a namorada do Diego (meu sobrinho) chegou do trabalho e perguntou (presumo que foi ela, porque eu ouvi o diálogo e não estou louca, ainda, perguntei pra mana e ela jura que não falou nada com a mama nesse horário) pra minha mãe o que ela fazia lá fora, sozinha naquele frio, se ela ia sair - ela respondeu - não, não vou sair não...
Enfim, juntando alhos com bugalhos, fui lá no registro da rua e PIMBA!!!

ELA FECHOU O REGISTRO DA ÁGUA!!!

Mamãe estava apenas nos treinando para uma eventual falta de água, sabe como é, precisamos estar sempre afinados com o pior cenário, rs

P.S. - a mama já é idosa, às vezes fica sem muita coisa pra fazer e os dedinhos não param nunca...

terça-feira, 29 de julho de 2014

Sobre cotas...



As pessoas sofrem preconceitos de toda ordem, não é só por cor da pele, porque a pele escura não é raça diferente da branca, amarela, vermelha, parda ou o que seja, senão não poderíamos no português claro e biológico "cruzar" e ter filhos férteis. Somos uma só raça.
Sofri preconceito por ser pobre, por ser baixinha, por ter nascido com deficiência física congênita (operei e fiquei com a coluna ereta - o que me salvou dessa chacota), mas eu jamais me convenci de que era menor.

Em minha época se fazia exame admissional para o ginásio (a quinta série do fundamental hoje) - tive que aguentar as filhas das professoras e dos mais abastados que faziam o cursinho paralelamente ao quarto ano do grupo escolar - faziam questão de falar isso na escola para se mostrarem superiores.

Eu ficava na minha e terminado o ano, me inscrevi, fui lá e fiz a prova - três dias de prova e meu maior orgulho foi que com a minha inteligência e aplicação aos estudos - passei em primeiro lugar - tirei 10 em todas as provas. 

Por isso eu digo - não sou a favor de cotas de forma alguma porque isso sim salienta a discriminação e perpetuação de injustiças, quando se deveria focar e trabalhar no sentido de agregar os "diferentes" (não considero que assim o seja) e não criar regras equivocadas que só farão crescer dentro de todos esse espírito de revolta e "guerra fria" implícita na sociedade como um todo.


Dulceny z 
29/07/2014

terça-feira, 15 de julho de 2014

Ah, viver...

Viver é como permear os espaços, os que existem e os que criamos quando nos libertamos dos excessos.

Dulceny z
15/07/2014
23:46 h

domingo, 13 de julho de 2014

O eterno...

O eterno é um período muito longo, tanto que nós nem mesmo conseguimos imaginar, sequer mensurar - o eterno transcende o tempo e o espaço no constante "é" do Universo criado e incriado.
Ele "é" em cada segundo da nossa existência.

Dulceny z
13/07/2014

10:00 h

domingo, 6 de julho de 2014

Impermeabilidades...

Não seja esponja, assim você fica contaminada, seja impermeável, receba, mas deixe escorrer suavemente por sua superfície, é mais fácil enxaguar e deixar limpo.

Dulceny

06/07/2014